quarta-feira, 18 de setembro de 2013

O Inominável


 
A construção da identidade é a construção do significado existencial da pessoa. Ninguém vive sem nenhum fragmento de significação existencial, sem qualquer rastro de sentido, a vida não é possível. O vazio de identidade é de tal gravidade que produz a falência da linguagem para dar conta da realidade da inexistência.
Durante certo tempo tentei descrever a sensação de ter perdido a si mesmo, de se ter uma buraco negro dentro da alma. Eu que gosto tanto de palavras fiz um esforço para que alguma coubesse em minha Ausência. Esmiucei o dicionário, acabei com o estoque de adjetivos para tentar qualificar meus sentimentos, nenhum vocábulo foi suficiente para descrever meu estado. Descobri que diante de um grande vazio, de um deserto absoluto, a única resposta possível é o silêncio.
O peso do nada decreta a própria impossibilidade de ser e estar no mundo.
A vida vazia de significações em sua condição humana nos torna estranhos a si mesmo.
Se o vazio de significação não permite dizer, o vazio de si não permite calar.
Ecos do vazio quase me impossibilitam de expressar a realidade.
No caminho contrário do silêncio está a palavra, usada não para fugir da realidade, mas para mergulhar nela e reencontrar-se.
Por isso sou toda palavras, sou poeira do Verbo.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Ânima

Que vida é esta?
Que não me basta?
Não me abala?
Nem me toca!
Os poemas já não me suprem
Escrevo por paixão
Escrevo pra viver
Respirar não me é suficiente
Então murmuro, suspiro
Grito ao vento...
...pelo segredo
...pelo desejo
De sentir a vida pulsar em meu espirito.

Agonia de poeta


Preciso do Pessoa
Preciso do Bandeira
do Leminski
Preciso sair desse estado asmático
Meu coração está sufocado
pela falta de palavras
pela falta de definições
Que pesar!
Drummond, venha salvar-me!

Missões

Cada vez que o assunto “Missões” está em pauta uma das coisas que mais ouço é que não podemos ficar na zona de conforto. O lema é: tem que sair da zona de conforto.
Zona de conforto, o que seria isso? Sair do comodismo para ajudar o próximo? Ir a lugares longínquos?
Sempre fui do tipo de pessoa que acha que antes de tentar varrer a calçada do nosso vizinho temos que verificar se a nossa casa não precisa de uma faxina.
E a conversa sobre ajudar o próximo, como fica? No meu entendimento o próximo é o mais próximo mesmo, aquele que está geograficamente perto de mim.
Considero muito importante e louvável as pessoas que se dispõem a ir até os confins da Terra para oferecer ajuda. Há os missionários que trabalham no nordeste, os médicos sem fronteiras, ONG's que visitam diversas cidades e países para doar um pouco de calor humano, os que visitam asilos e casas de recuperação de dependentes químicos, enfim diversos trabalhos voltados a atender as necessidades e resgatar a dignidade humana.
Apoio todos com essa finalidade, a causa de devolver a humanidade para as pessoas é sempre justa.
Eu, no entanto, tenho muito o que fazer no meu próprio meio. Minha consciência muitas vezes me chama a ajudar as pessoas ao meu redor. E isso não é desculpa para ficar na zona de conforto, como muitos dizem. O fato é que me sinto vocacionada a ser uma influência positiva no meu próprio meio. E olhem que isso não é fácil, pois no convívio sempre com as mesmas pessoas o desafio é imenso, o dia a dia arranca qualquer máscara de bom samaritano que se pretenda usar.
O trabalho missionário é tão importante, impactante e desgastante na zona de conforto (onde vivemos) quanto fora dela.
Aliás, acredito que existam pessoas que fazem trabalhos voluntários para justamente ficar na zona de conforto. Para alguns é mais fácil visitar crianças no orfanato do que lidar com seus sobrinhos. Existem pessoas que fazem visitas ao asilo, mas mal conversam com seus avós. Sei também que existe toda uma boa vontade e a pessoa em questão é cheia de boas intenções. Isso não é de forma alguma uma crítica àqueles que fazem esses trabalhos, é apenas uma visão particular a respeito de missão.
Porque campo missionário é toda e qualquer pessoa que se encontra longe de Deus. Esse campo pode ser perto de mim ou não. E zona de conforto não é um local geográfico e sim uma postura pessoal. Podemos impactar vidas em nosso próprio trabalho diário, em nossa família, no círculo de amigos, basta ter uma visão clara de que ser voluntário não é a única forma de ser missionário.
Cada um deve examinar a si mesmo e tomar consciência de seu chamado. Identificar para onde foi vocacionado a agir é um dos pontos principais para cumprir a missão. A partir dessa identificação não desperdiçamos tempo, energia e nossos talentos em algo do qual não fomos chamados. Isso não significa que é perda de tempo ajudar as pessoas fora do nosso chamado, “fazer o bem sem olhar a quem”, só para relembrar. Mas estou dizendo que quando identificamos nossa vocação, o que fazer e onde fazer, podemos ser mais uteis porque nossos dons são potencializados quando nos sentimos realizando o que fomos feitos para fazer.
E quando recebemos uma vocação, recebemos junto a condição necessária para realizar o chamado, recebemos a vontade, a paixão, o desejo e as oportunidades.
Porque é Ele quem opera em nós, tanto o querer quanto o realizar.